Nike Women Victory Tour Parte 2

O Congo é aqui.

Não sou mto neurótica não mas o jantar da noite anterior é importante e acordar estufada pode ser um desastre, por isso pulei o jantar fancy da Nike e fui com meu namorado, meu pai e minha prima Nathalia no Balada Mix de Botafogo comer frango com batata doce. Além disso queria estar com minha família para aliviar a ansiedade pré prova, que é algo que não me cai bem.

Como a largada da prova estava marcada para 8:15, um pouco mais tarde do que estamos acostumadas, deu tempo de tomar café da manhã, me arrumar sem pressa e esperar a vontade de fazer cocô bater. Na minha opinião não tem coisa PIOR do que correr uma prova com vontade de fazer cocô ou ter vontade minutos antes da largada e ser obrigada a enfrentar um banheiro químico nojento. Por isso procuro sempre coordenar bem o tempo para que a vontade venha ainda em casa.

No Sábado fomos informadas que teríamos um time de hairstylists à nossa disposição no hotel para corrermos lindas, então depois de tomar café fui trançar meus cabelos à la Ronda Rousey e esperar a vontade do banheiro chegar.

(a minha cara de vontade de ir ao banheiro)

Todas as meninas do grupo estavam ansiosas, e mesmo quem não estreava nos 21k estava bem apreensiva com a história do calor. Às 7am quando saímos do hotel o Sol já estava à pino e devia estar uns 30 graus, ali comecei a ter certeza absoluta que não seria uma prova fácil e não tinha estratégia nenhuma para lidar com isso já que nunca havia corrido uma meia maratona num calor tão forte.

Não queria fazer drama nem encher o saco do Wanderlei, mas para minha surpresa o telefone tocou minutos antes da largada e era ele querendo saber como estava o tempo e como eu estava me sentindo.

Tem como não amar?

Sei que algumas semanas antes da prova ele pontuou pra Nike que esse horário era impróprio e trazia riscos à saúde das atletas, sugerindo que a largada fosse uma hora mais cedo, mas sei também que havia uma questão maior envolvida que impedia essa mudança de horário: o evento teste das Olimpíadas.

Ou a prova largava naquele horário ou ela não acontecia. Sei que o time envolvido na organização da prova fez o possível para se adequar às regras do evento teste e infelizmente o máximo que conseguiram foi adiantar das 8:44 para 8:14.

Essa é a matéria que li no Globo de Sábado, e neste link ela na íntegra.

 

Bom, contei pro WO que já fazia uns 30 graus e que talvez eu tivesse alguma dificuldade em administrar os 21k, já que nunca havia corrido prova longa num calor tão forte.

WO foi firme ao dizer que o calor é um dos fatores que mais afeta a performance dos atletas, e indicou que naquele momento deveríamos mudar o que estava combinado e que eu deveria correr num ritmo forte mas controlado para preservar minha integridade física.

Ele não me mandou correr numa boa, já que um ritmo forte/controlado naquele calor do Congo não seria nada fácil, mas sei que o Wanderlei não é um cara que poupa ninguém de esforços então se a orientação dele foi essa era bom respeitar.

Essa é a parte boa de ter respaldo de alguém que a gente confia. Vcs acham que o cara tinha a obrigação de me ligar as 7:30 da manhã de um Domingo pra falar isso? Sorry, mas meu coach é O CARA!

 

Aqui minha turma fingindo tranquili and naturalidade.

Uma das coisas que valorizo muito numa prova é a largada organizada, e nisso a NWVT levou nota DEZ. Apesar do Sol fortíssimo e da ausência de sombra foi tudo tranquilíssimo e todo mundo largou sem stress algum.

Na foto aqui embaixo Seu Jorge dando a largada e o Sol fritando as meninas sem dó.

(Gui Leporace)

Uma das regras para quem estava na linha de frente era correr numa determinada velocidade sem avançar demais para não ter problemas com o evento teste, então pelas conversas ali entendi que a Milena Preter, a Luiza Taquechel e os pacers Cleiton Machado + Roger Freitas estavam controlando a situação e o ritmo dos primeiros corredores.

Do meu lado (não aparece na foto) estava a Nathalia Réa, uma menina monstra que sempre ganha as provas que corre, a Andreia Sekine que é uma amiga de SP tb fortíssima que foi minha pacer na Track & Field onde fiz meus melhores 10k da vida e algumas meninas do Rio que não conhecia, mas que estavam correndo muito bem.

Então apesar do calor do Congo estava delícia correr ali ao lado daquelas pessoas, estava me achando a queniana e o clima entre nós também era ótimo, um ajudava o outro na hora de pegar água, os pacers falavam em voz alto o ritmo em que estávamos etc.

Ficamos ainda mais animadas quando Vanderlei Cordeiro de Lima colou no grupo e correu algum tempo com a gente.

 

Os termômetros das ruas já marcavam 32/33 graus mas eu estava correndo sem dificuldades, planejei fazer força até onde desse e deixei pra lá a idéia de correr a primeira metade mais lenta do que a segunda (split negativo) já que isso só funciona em provas com condições normais.

Já sabia que o calor ia piorar e que não seria possível fazer muita força no final, então era agora ou nunca. Algumas meninas que estavam com o grupo ficaram para trás e ele ficou pequeno.

Eu e a Andreia seguramos até o km 8, mas eles aumentaram o ritmo e eu tinha certeza que se aumentasse junto iria quebrar, naquele momento correr já não estava gostoso como antes. O calor começou a castigar e eu comecei a dar uma fritada, entendi que tinha chegado o momento de fazer o que o capitão mandou então encaixei no ritmo forte/controlado estipulado por ele.

Apesar de estar com sangue nos olhos e muita vontade de buscar meu melhor tempo, achei mais sensato ficar na minha e não correr o risco de terminar a prova me arrastando. Avisei a Andreia que diminuiria e imaginei que ela fosse dizer adeus, mas ao contrário, seguimos juntas até o final.

 

A hidratação da prova estava ótima com água e isotônico de 3 em 3km, mas praticamente não havia sombras. O Sol queimava cada cm do meu corpo e com certeza os treinos no Sol me ajudaram muito a ter resistência e não perder o controle, já que uma prova nessas condições além de exigir muito fisicamente exige mais ainda psicologicamente.

 

O objetivo era manter o ritmo abaixo de 5 por km até o final e conseguimos. Sem dúvida ter a Andreia do meu lado foi essencial e repeti isso milhares de vezes enquanto corríamos, acho até que ela ficou meio de saco cheio de tanto obrigada que falei.

Encontramos marinheiros, passamos pela Praça XV, Ilha das Cobras, Museu do Amanhã, estava amarradona no percurso e me sentia muito segura em tê-la do meu lado. Nos últimos 4km parecia que eu estava no Planeta Extremo, o asfalto derretia e além do cansaço e dos termômetros marcando 34 graus, passamos por algumas curvas e o ritmo deu uma caída.

Apesar do Congo, nos mantivemos firmes até o final, fechamos a prova em 1:40 sem nenhuma grande queda no ritmo e conquistamos o sexto lugar.

 

Aqui Fernanda Feller, Andreia Sekine, eu e Cristal Dias.

 

Quem ganhou foi a Nathalia Réa, uma super corredora do interior que já mostrou seu talento diversas vezes e que no NWVT lacrou com humildes 01:29 minutos.

Sei que corri essa prova da melhor maneira possível guardadas as devidas proporções mas 1:40 é um tempo que não me desce bem. Capitão diz que não devo me sentir assim e até mandou um estudo Temperaturas altas. Rendimento baixo na tentativa de me convencer que a culpa foi do calor, mas nada disso me conforta pois treino duro porque gosto de ver resultados.

Na real sei que ele também gosta, WO não treina ninguém que não tenha espírito competidor e acho que ele está certo, pois o esporte precisa disso pra se manter vivo.

Ter espírito competidor não é ser a melhor o tempo todo, mas buscar sempre melhorar a cada nova oportunidade e não se dar por satisfeita ao completar um desafio com um tempo meia boca. Uma pessoa com espírito competidor está sempre instigada a treinar ainda mais para correr melhor nas próximas vezes.

Respeito muito quem não se importa com performance mas eu não corro pela foto, corro pelo relógio e pela emoção pois preciso disso para me sentir viva. Sei que nunca serei uma atleta de elite, e que 1:40 não é um tempo tão cagado assim, mas enquanto for uma mulher saudável e tiver força na peruca continuarei buscando melhorar isso aí.

#findyourgreatness

Mas como seria muito injusto resumir toda essa experiência à um resultado, vou dizer que a jornada NWVT foi sensacional. Tudo muito bem pensado, muito bem executado e com certeza um divisor de águas na vida de muitas mulheres que estavam lá. Quantas pessoas tem a oportunidade de estrear nos 21km com uma prova tão legal e bonita quanto essa?

Fiquei feliz e orgulhosa de algumas pessoas, mas uma em especial foi a Renata Botelho que apesar de todo o trabalho, do pouco tempo de treino e todo receio que estava em se lançar na meia, fez questão de alinhar com a gente e completou a prova bravamente.

 

No gelo com Renateenha.

Bom, e não poderia faltar o detalhe mor:

a medalha seguiu a tradição gringa e veio em forma de um pingente entregue por um time de boys magia vestidos de terno.

A-DO-REI, mas claro que nenhum deles era mais delicious do que o meu magya,  né?

 

E tem mais: antes de finalizar este post e ainda com as dores da corrida, recebi em casa uma mochilinha fofa, com o novo Nike Free + uma cartinha parabenizando pela participação e me convidando para desfrutar de uma incrível sessão de relaxamento no Spa LOccitane.

Do dia do lançamento da corrida em Janeiro até hoje foi um UAU atrás do outro. Ele me fizeram sentir valorizada, elevaram meu trabalho no blog e mais uma vez tive a certeza de que quando fazemos as coisas por amor e com sinceridade o universo conspira a favor.

 

E acho que não fui só eu que me senti valorizada, todas as mulheres que participaram dos 21k e do NTC puderam se sentir especiais. As rápidas, as lentas, as novas, as masters, todo mundo teve ali uma ótima experiência que além de linda e agradável, super organizada e que não deixou sequer uma preocupação que não fosse correr ou treinar.

Além organização, hidratação 100%, embelezamento pós prova, kit lindo e várias outras ativações (tudo de graça), novas amizades nasceram, recordes foram batidos e muitas mulheres descobriram que é mesmo isso que querem para suas vidas: correr!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *